Robótica na medicina: O robô cirurgião e o homem híbrido


A robótica na medicina avança cada vez mais, trazendo perspectivas interessantes para a sociedade

Falar em uso de robótica na medicina é sempre um assunto delicado. Quando o assunto envolve cirurgias então, a polêmica é grande. Muitos gostam da ideia de uma tecnologia avançada para melhorar os procedimentos cirúrgicos, enquanto outros não conseguem confiar.

E se os robôs começassem a operar os pacientes? E se eles se tornassem parte do nosso corpo? Na verdade, esse cenário já é realidade ou pelo menos em parte. Inventos específicos já estão em prática para auxiliar médicos durante cirurgias e, mais do que isso, outros podem ser implantados no corpo para resolver um problema de saúde, tornando realidade os seres humanos híbridos, também conhecidos na cultura clássica como ciborgues.

É verdade que ainda há muito a se percorrer para a tecnologia poder funcionar por conta própria e muitos acreditam ser pouco provável que a máquina seja capaz de realizar uma cirurgia de forma independente. A qualidade das invenções que já existem não impede debates calorosos sobre até que ponto a tecnologia poderá executar tarefas humanas ou não.

O fato é que tecnologias que antes pareciam ficção já estão entre nós, revelando o forte impacto do avanço da robótica na medicina. Você confia o suficiente na tecnologia para se submeter a uma operação feita por robôs?

Robô cirurgião imprime precisão de movimentos

Em 2017, uma equipe de pesquisadores suíços criou um exemplar capaz de realizar perfurações precisas no crânio humano para assistir médicos em procedimentos cirúrgicos. O projeto é uma iniciativa do professor Stefan Weber da Universidade de Berna.

O robô foi desenvolvido especificamente para o implante coclear, que ajuda a recuperar parte da audição de deficientes auditivos. A cirurgia para esse tipo de intervenção requer a perfuração de um túnel de 2,5 milímetros até o ouvido médio, próximo a nervos faciais e gustativos. Assim, os riscos de um paciente perder a audição não são exatamente baixos: as chances de fracasso ficam entre 30 e 55%.

E quem pensa que o uso de um robô para esse tipo de procedimento é arriscado pode repensar as conclusões. O protótipo tem uma alta precisão de décimos de milímetros, reduzindo o risco consideravelmente em relação ao trabalho humano.

Embora o robô cirurgião atue somente na perfuração e com atividade assistida, ele se torna caminho para uma vasta possibilidade no futuro, assim como outras inovações já existentes.

O hibridismo entre homem e máquina a partir da medicina

Muitos filmes já haviam explorado a temática no século passado, mas o processo de robotização do homem já se tornou realidade. Cirurgias com órgãos e dispositivos eletrônicos têm sido muito usadas para tratar e curar problemas de saúde, já existindo até o coração robótico.

Recentemente, no entanto, tivemos um caso trágico de utilização da robótica na medicina. Stephen Pettitt, um paciente de 69 anos no Reino Unido faleceu durante um transplante de coração mecânico feito com assistência robótica por um robô conhecido como Da Vinci. O inquérito revelou que a morte aconteceu devido a causas diretas e complicações da cirurgia que levaram à falência múltipla de órgãos, bem como o mau uso do robô.

Nesse contexto, podemos levantar alguns questionamentos. Até que ponto podemos confiar na tecnologia? Será que se o procedimento teria dado certo se tivesse sido feito exclusivamente por mãos humanas? O equipamento estava realmente pronto para ser implantado? E, a título de comparação, uma vez que uma cirurgia normal também implica riscos, por que temos que esperar que a robótica seja 100% eficaz?

De fato, implantes metálicos são questionáveis, já que há vários registros de casos em que o objeto perfurou órgãos e até envenenou a corrente sanguínea com elementos tóxicos. Por outro lado, eles são alternativas eficientes para resolver problemas sérios de saúde. Se todo procedimento tem um chances de falhar, é importante que o paciente conheça os riscos para tomar a decisão consciente.

A robótica na medicina ainda está só no começo e as pesquisas e invenções de health tech devem avançar muito nos próximos anos. Um dia, quem sabe, chegaremos a uma fase em que não precisaremos realizar tantos questionamentos para confiar no modernismo da tecnologia.

Comments 0

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Robótica na medicina: O robô cirurgião e o homem híbrido

Entrar

Don't have an account?
sign up

reset password

Back to
Entrar

sign up

Back to
Entrar
Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format

Send this to a friend